quinta-feira, 29 de abril de 2010

Desativação do canil da USP preocupa voluntários



Um banner afixado no dia 26 em prédios da Universidade de São Paulo (USP) anunciou o fechamento do abrigo criado em 2001. A fim de recolher os cachorros abandonados no campus da universidade, o local é protegido há quatro anos por um grupo de voluntários denominado Patinhas Online. Nenhum membro do grupo foi consultado ou informado previamente.
Na última segunda-feira, ao chegar ao canil para sua visita diária, a pioneira do grupo, Elizabeth Roboczkay, se surpreendeu com o banner e passou a informação ao resto dos membros do Patinhas.
O grupo já enviou à Reitoria, sem receber retorno, cerca de 2 mil e-mails. Alguns voluntários também foram pessoalmente à Universidade para agendar uma reunião com o Reitor, Prof. Dr. João Grandino Rodas, mas não conseguiram ser atendidos.
A assessoria de imprensa da Reitoria da USP divulgou que está trabalhando em um projeto junto com a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia para assumir o abrigo. Mesmo assim, o grupo continua se perguntando sobre as intenções desse plano e o motivo por que ele ainda não foi compartilhado população.
A voluntária Juliana Bueno, uma das organizadoras do grupo, manifesta sua preocupação a respeito do que será feito com os cães. “Não conseguimos enxergar a possibilidade de eles organizarem feiras de adoção e campanhas de conscientização. O que fariam com os animais que chegassem?”, questiona Juliana.
Apesar de a USP ajudar com ração e colaborar em algumas reformas, o Patinhas é o maior responsável pela sobrevivência do abrigo. São realizados mutirões mensais para manutenção geral e limpeza dos cães e das baias, feiras permanentes de adoção e eventos para arrecadar verba para compra de medicamentos e pagamento de veterinários.
Os animais que vivem no abrigo são castrados e vacinados, utilizando o dinheiro arrecadado pela equipe, e estão prontos para ser adotados. Desde o início do Patinhas, já foram doados cerca de trezentos cachorros.
“Hoje, são 110 cães à espera de lares. Damos a eles muito mais do que alimentação e remédios. Damos a chance de terem um lar, damos carinho, atenção e dedicação”, declara o grupo, que conta com 1,6 mil voluntários cadastrados,.
Para pedir garantias de que o abrigo não será fechado e de que terão acesso irrestrito aos animais, o grupo planeja para amanhã, dia 30, uma manifestação pacífica. Eles se encontrarão às 15h na portaria 1 da USP.
Para mais informações sobre o Patinhas online e conhecer os cachorros disponíveis para adoção, acesse www.patinhasonline.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário