quarta-feira, 8 de maio de 2013

Giovanni Improtta está de volta em charme e osso



O filme estreia em todo o Brasil no dia 17 de maio

GIOVANNI IMPROTTA conta a história de um contraventor que deseja ascender socialmente e se legalizar. Seu desejo em se tornar celebridade, acaba lhe botando em enrascadas com a policia, o jogo do bicho e com sua família. Acaba traído, na mira da mídia e da polícia, sob uma injusta acusação de assassinato, difícil de ser resolvida por vias legais.

Trata-se do primeiro longa-metragem dirigido por José Wilker. O personagem, criado pelo escritor Aguinaldo Silva, sai finalmente das páginas impressas e da tela da TV para ganhar a tela grande do cinema. Improtta surgiu como um bicheiro nos anos 70, no livro O Homem que Comprou o Rio. Em 2005 reapareceu em outro livro do autor, Prendam Giovanni Improtta. Mas foi na novela Senhora do Destino, exibida em 2004 na TV Globo, que fez sua aparição mais famosa e até hoje lembrada, com Wilker interpretando o personagem, já transformado num empresário estabelecido no ramo da construção civil.

Entre 28 de junho de 2004 e 12 de março de 2005 Senhora do Destino conseguiu uma das maiores audiências da TV Globo e Wilker recebeu diversos prêmios de melhor ator, como Troféu Imprensa, Prêmio Contigo, Prêmio TV Press e Prêmio Qualidade Brasil RJ e SP.

Foi quando terminou de gravar a novela que o ator se deu conta que Giovanni era um personagem cuja vida era maior do que a que se mostrava na TV: “Era um tipo de personagem que na novela era horizontal e que merecia uma certa verticalidade”, explica Wilker. “Ao mesmo tempo, como o personagem na novela fez muito sucesso, muita gente quis se apropriar dele para cinema e teatro. Achei que era injusto comigo e resolvi pedir ao Aguinaldo os direitos para levá-lo ao cinema. Convidei o Cacá para dirigir. Tinha acabado de filmar com ele O Maior Amor do Mundo do Mundo. Depois de umas três semanas o Cacá me chamou para jantar e sugeriu que eu dirigisse. Dizia que eu conhecia muito mais o personagem e a história do que ele”.

Para Cacá a sugestão veio naturalmente. Desde que começou a trabalhar com Wilker percebeu que o ator – e agora diretor - é uma pessoa com grande conhecimento de cinema, não só como cinéfilo mas também tecnicamente: “É um dos raros atores que sabe o que está fazendo, que sabe onde está o olhar da câmera”, afirma. E depois de fazerem cinco filmes juntos, Wilker se tornou muito mais do que um ator: “É um amigo com quem converso sobre cinema, de quem ouço as opiniões, as sugestões. Não é somente uma relação profissional, mas uma relação de amizade, até com uma certa identidade cultural, os mesmos gostos e, se não os mesmos gostos, pelo menos os mesmos desgostos. Isso facilita muito a relação”, diz rindo.

Wilker confirma que improvisou seus diálogos no filme. Pediu que a roteirista, sua filha Mariana Vielmond, não se preocupasse com a linguagem dos personagens porque no calor do acontecimentos algumas coisas iriam acontecer: “Isso porque o personagem veio da televisão e aconteceu com ele algo que na TV é muito importante: o telespectador apropriar-se do personagem. Quando estava gravando a novela, ele ia de sua casa até o Projac (onde ficam os estúdios da TV Globo), com a janela do carro aberta, ouvindo no trajeto os flanelinhas, vendedores de abacaxi, de biscoito, ou o que fosse, sugestões sobre o que dizer, diálogos inteiros e como dizer: “Achei que valia a pena usar este mesmo tipo de sistema durante o trabalho do filme. Com os outros atores houve muita liberdade para que eles lessem a personagem do jeito que lhes parecia melhor. Mas isso também foi um exercício que começou durante o processo de ensaio”.

O linguajar excêntrico de Giovanni Improtta, a maioria levada para a TV pelo próprio Wilker, caiu na boca do povo, como “felomenal” (fenomenal), “há malas que vêm de trem”, “a vaca vai voar”, “como diria o açougueiro...vamos por partes”, “vou me pirulitar” e tantas outras.

A intenção de Wilker foi contar também, na forma de comédia, a história do Rio de Janeiro, um Rio onde, aparentemente, todos são absolutamente livres para ascender na vida mas, na realidade, são prisioneiros de certos preconceitos que os condenam a permanecer sempre no mesmo grupo social. Como explica Wilker: “A gente é o favelado de ouro, o aristocrata de ouro, o intelectual de ouro, mas não transita de um grupo para outro. Herdamos, talvez do império, este comportamento, de certo modo aristocrático, que perdura até hoje. Queria contar na forma de comédia a tentativa de uma pessoa humilde, importante para sua comunidade e para o Rio de Janeiro, de conseguir um lugar ao sol difícil de alcançar”.

No elenco José Wilker, Andrea Beltrão, Thelmo Fernandes, André Mattos, Gillray Coutinho, Julia Gorman, Yago Machado, Norival Rizzo, Roney Villela, Paulo Mathias Jr, Thogun Teixeira, Cristina Pereira, Gregório Duvivier , Alcemar Vieira, Eduardo Galvão e participações especiais de Milton Gonçalves, Othon Bastos, Hugo Carvana, Guida Vianna, Paulo Goulart e Jô Soares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário