terça-feira, 24 de setembro de 2013

A história da primeira revolução sexual


As origens do sexo, de Faramerz Dabhoiwala, mostra como se deram as mudanças no comportamento sexual

Foram 20 anos de pesquisa, consultando de obras artísticas e diários pessoais a registros criminais e tratados filosóficos, antes que Faramerz Dabhoiala finalizasse seu As origens do sexo: uma história da primeira revolução sexual, que a Biblioteca Azul lança no Brasil. No livro, que conta com 56 páginas com imagens coloridas, Dabhoiwala alterna a perspectiva histórica com trajetórias individuais de muitos homens e mulheres para compreender a evolução da forma como o homem encara - e pratica - o sexo ao longo da História, com destaque para a mudança de paradigma trazida pelo Iluminismo, que suscitou a primeira revolução sexual do ocidente, segundo o pesquisador.

Professor de Oxford e membro da Royal Historical Society, Dabhoiala mostra em As origens do sexo que, desde o início da história humana, quase todas as civilizações prescreveram leis severas contra algum tipo de imoralidade sexual, mas foi a partir da Idade Média que o sexo ilícito foi tratado com crescente vigor como crime público. A revolução sexual teve início com a derrocada da disciplina pública, fruto da Reforma religiosa e do conflito que se estabeleceu a partir dela, quando o sexo consensual fora do casamento foi aos poucos passando para a esfera do privado, além da coerção legal.

Mas foi o Iluminismo que mudou definitivamente a maneira como a sociedade via o sexo. O modo de pensar iluminista alterou as noções de religião, verdade, natureza e moralidade de quase toda a população, transformando atitudes e comportamentos. Essa maior pluralidade de visões morais teve como efeito o avanço da liberdade sexual ao longo do século XVIII.

Essa mudança radical lançou os alicerces da cultura sexual até os dias de hoje. O Iluminismo varreu uma visão de mundo mais investida de autoridade, trazendo novas perspectivas e algumas tensões irresolúveis que fazem parte da condição moderna: o crescimento da liberdade sexual, o predomínio do modo urbano de viver e discutir sexo, a noção de que os homens são por natureza mais sexualmente ativos e as mulheres mais passivas, uma associação entre moral e classe, a distinção entre público e privado, comportamento natural e antinatural, pornografia e celebridade.

O autor

Faramerz Dabhoiwala nasceu na Inglaterra em 1969. Ele é Senior Fellow em História no Exter College, de Oxford, e Fellow da Royal Historical Society. As origens do sexo é seu primeiro livro.

Repercussão da obra na imprensa internacional

"Uma das estreias de não-ficção mais bem recebidas dos últimos anos"  - John Walsh, The independent

"Intrigante e erudito, este livro contém tudo o que você nunca quis saber sobre sexo porque não fazia ideia de que essa história é tão variada, fascinante e bizarra. E o alívio deste livro é que as mulheres não aparecem apenas no índice, mas fazem parte de toda a história" - Jeanette Winterson, The Times

"O que torna este livro tão incrivelmente delicioso é a mistura feliz de ideias provocativas e anedotas históricas saborosas. Um texto límpido, uma pesquisa densa - um livro profundamente persuasivo" - Dominic Sandbrook, The Sunday Times

Nenhum comentário:

Postar um comentário