quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Exposição de Kandinsky já foi vista por 1 milhão de pessoas em todas as capitais que exibem a mostra


O Banco do Brasil comemora nesta quarta-feira (16) a marca de 1 milhão de visitantes para a exposição Kandinsky – Tudo Começa Num Ponto. Trata-se da primeira mostra de artes plásticas a circular os quatro CCBBs, recebendo 240.903 visitantes em Brasília; 440.000 no Rio de Janeiro e 129.791 em Belo Horizonte. Em São Paulo, onde segue aberta de forma gratuita até 28/09, o número de visitantes ultrapassa 180 mil. Como parte das celebrações o visitante 1 milhão vai receber uma reprodução em óleo sobre tela de um dos quadros de Wassily Kandisky, nesta quarta-feira, às 15h. O título escolhido só será revelado no momento da entrega.

No Brasil desde outubro de 2014, a exposição traz mais de 150 obras e objetos de Kandinsky, seus contemporâneos e suas influências. Esse acervo diverso tem como base a coleção do Museu Estatal Russo de São Petersburgo, enriquecido com obras de mais sete museus da Rússia e coleções procedentes da Alemanha, Áustria, Inglaterra e França.

Única sob vários aspectos, a exposição conta também com o apoio do Banco Votorantim, e apresenta uma sequência de quadros do pintor, pensador e escritor Kandinsky, e permite um mergulho no seu universo criativo, nas referências iniciais do artista, colocando lado a lado suas obras e as dos seus contemporâneos, além de peças que são joias da arte popular do norte da Sibéria e objetos de rituais xamânicos. Emerge daí um Kandinsky que poucos, no Ocidente, conhecem.



A TRAJETÓRIA

A proposta curatorial, de Evgenia Petrova e Joseph Kiblitsky, organiza a exposição em cinco blocos, que vão ajudar os visitantes a conhecer não só as principais obras de Kandinsky, mas também suas influências e o relacionamento com outros artistas. Trata-se de um mergulho no mundo que cercou e influenciou o artista. Os blocos são: 

  • Kandinsky e as raízes de sua obra em relação à cultura popular e o folclore russo;
  • Kandinsky e o universo espiritual do xamanismo no Norte da Rússia;
  • Kandinsky na Alemanha e as experiências no grupo Der Blaue Reiter, vida em Murnau;
  • Diálogo entre música e pintura: a amizade entre Kandinsky e Schonberg;
  • Caminhos abertos pela abstração: Kandinsky e seus contemporâneos.
“Kandinsky: tudo começa num ponto” é também resultado da construção de um relacionamento de confiança entre o Museu Estatal Russo de São Petersburgo, o Centro Cultural Banco do Brasil e a Arte A Produções, que realizou a bem sucedida exposição “Virada Russa” (realizada em 2009, no circuito do CCBB).

Nenhum comentário:

Postar um comentário