quinta-feira, 18 de julho de 2013

Livro "Segredos do Conclave" conta os bastidores da eleição do papa Francisco


Geração Editorial lança livro do jornalista Gerson Camarotti, que relata a maior transformação da Igreja

Em seu novo livro Segredos do Conclave, o jornalista Gerson Camarotti, coautor de Memorial do Escândalo, conta os bastidores da eleição do papa Francisco e a operação do Vaticano para estancar a hemorragia de fiéis na América Latina, a partir de contato com o alto clero da Igreja Católica por mais de oito anos. Cobriu as eleições dos papas Bento XVI e Francisco. Na obra, o autor revela os verdadeiros conchavos políticos que foram necessários para chegar à escolha do Papa Francisco. O livro tem prefácio do escritor e imortal Ariano Suassuna.

Segredos do Conclave narra as mudanças na cúria romana após a estarrecedora decisão do papa Bento XVI de renunciar ao seu pontificado. Isso não ocorria havia seis séculos. Esse gesto revolucionário abriria espaço para a realização de mudanças que o próprio papa não conseguiu fazer durante os oito anos que ficou à frente da Igreja, dividida por disputas de poder entre cardeais e desprestigiada por escândalos de pedofilia, pela crise envolvendo o Banco do Vaticano e pelo caso do mordomo do papa, que vazara documentos secretos da instituição mais antiga do planeta.

Após a renúncia de Bento XVI, a 28 de fevereiro de 2013, cardeais vindos de todo o mundo se reuniram em conclave, para eleger o novo sucessor de são Pedro. Fechados na Capela Sistina, sinalizaram um movimento de mudança, inédito na conservadora Igreja Católica. Já nas reuniões das congregações gerais, os purpurados cobravam transparência da cúria romana. Estavam assustados com o noticiário e queriam abrir a caixa-preta do Vaticano. Houve uma avaliação pragmática da Santa Sé: era preciso abrir uma nova interlocução com a Igreja na América Latina para tentar barrar a evasão de fiéis. O sinal vermelho acendeu em Roma quando se detectou que, na década de 1990, a evasão de fiéis chegou ao impressionante número de 1% da população ao ano só no Brasil, segundo dados do IBGE. Em uma década, isso significou uma fuga de cerca de 13 milhões de católicos. A maior parte desses fiéis migrou para denominações evangélicas, principalmente na periferia das grandes cidades. Era preciso reconquistar esses fiéis e, para isso, a Igreja tinha de estar reunificada.

Foi em meio a esse sentimento de mudança que surgiu com força a candidatura do arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio. A liderança de Bergoglio no episcopado da América Latina começou a aparecer já nos primeiros anos do pontificado de Bento XVI. Foi quando a Santa Sé iniciou uma ofensiva para estancar a hemorragia de fiéis no continente com o maior número de católicos no mundo e tentar manter o seu rebanho continental, estimado em 483 milhões de católicos na América Latina (41,3%) de um universo global de 1,2 bilhão de católicos.

Essa ação resultou na escolha do cardeal Bergoglio, eleito papa Francisco a 13 de março. A eleição do argentino também surpreendeu o mundo. Foram três ineditismos de uma só vez: o primeiro papa da América Latina; o primeiro papa jesuíta; e o primeiro papa a adotar o nome de são Francisco de Assis. Foi um sinal explícito de que o Vaticano iniciaria um período de reformas. Jamais a Santa Sé seria a mesma depois daqueles dias surpreendentes, entre fevereiro e março de 2013. E Camarotti estava lá desde o começo para contar todos os pormenores dessa história.

Serviço

Segredos do Conclave
Autor: Gerson Camarotti
Coleção: História Agora – vol.8
Gênero: Reportagem
Acabamento: Brochura
Formato:  15,6 x 23 cm
Págs: 304
Peso: 456g
ISBN: 9788581301761
Selo: Geração
Preço: R$ 34,90

Nenhum comentário:

Postar um comentário