segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Nova série do Discovery Science questiona a existência de Deus


Stephen Hawking apresenta suas ideias controversas sobre o universo, a vida e Deus.

Por que existimos? Qual é o nosso lugar no universo? A resposta para essas perguntas é um assunto para a ciência ou a religião? Na nova e polêmica série STEPHEN HAWKING: O GRANDE PROJETO (STEPHEN HAWKING´S GRAN DESIGN), que estreia no Discovery Science no domingo, dia 26 de agosto, às 21h, o renomado cientista une ciência e filosofia para responder às perguntas que sempre intrigaram a humanidade: Quem criou o universo? Qual é o significado da vida? Qual é o segredo para entender o cosmos?

No primeiro episódio, Hawking garante que não existe uma força divina responsável por criar e controlar o universo. Para ele, as leis da física mostram que o cosmos pode ter surgido do nada, que não existiu um tempo antes da criação do universo. Portanto, não pode haver existido um criador. Para provar sua hipótese controversa, o físico recorre à história da humanidade, dos vikings à era moderna, para nos mostrar como fenômenos meramente físicos foram atribuídos a um ser superior.

O segundo episódio discute o significado das nossas vidas. Existe algum propósito que devemos cumprir? Temos livre arbítrio ou somos complexas máquinas biológicas sujeitas às leis da natureza? Para Hawking, isso não é uma questão filosófica, e sim científica. Levando em conta pesquisas antigas e até as mais recentes descobertas da física quântica, Hawking coloca em dúvida tudo em que acreditamos.

O terceiro e último episódio aborda o sentido da existência de um universo infinito e como pode funcionar tão perfeitamente. Hawking analisa a teoria da relatividade de Newton, passando pela teoria das supercordas sobre múltiplas dimensões paralelas, até a possível existência de milhões de universos paralelos, nos quais tudo é possível.

STEPHEN HAWKING: O GRANDE PROJETO, é o resultado de mais de 40 anos de pesquisas, observações e análises das descobertas mais importantes do nosso tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário