Pular para o conteúdo principal

Grupo ZERO inicia temporada inédita em São Paulo


Pinacoteca receberá a exposição de um dos mais conceituados movimentos de vanguarda do século XX

Para celebrar a Temporada da Alemanha no Brasil, a Pinacoteca do Estado de São Paulo, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, apresenta de 03 de Abril e 15 de Junho a exposição ZERO. Pela primeira vez no Brasil, a mostra apresenta uma visão geral com enfoque temático dessa vanguarda internacional que, no final da década de 1950 e início da década de 1960, por meio de arranjos pictóricos dispostos em série e estruturas de luz vibratórias, alterou de forma decisiva a arte do período pós-guerra. 

A mostra é uma realização do Goethe-Institut e dos três museus Pinacoteca do Estado de São Paulo, Fundação Iberê Camargo de Porto Alegre e Museu Oscar Niemeyer de Curitiba e conta com o apoio da Allianz Seguros S.A., do Ministério NRW e do Pro Helvetia. Com curadoria de  Heike von den Valentyn. Na Pinacoteca de São Paulo, a coordenação da mostra é de Regina Texeira de Barros, curadora do museu.

Estética na luz pura

Retrospectivamente, é preciso definir o 11 de abril de 1957 como a marca inicial de uma época, pois foi naquele dia que dois jovens artistas de Düsseldorf abriram as portas de seu ateliê e proclamaram o reinício da arte no pós-guerra. Assim nascia o ZERO. Otto Piene, Heinz Mack e, um pouco mais tarde, Günther Uecker foram os nomes que marcaram o início desta nova vanguarda, por meio de uma série de exposições noturnas no atelier na Rua Gladbacher, número 69, em Düsseldorf. Naquele momento de ruptura, eles definiam como ZERO um recomeço tanto nas artes quanto na história, incluindo uma emancipação dos gêneros clássicos e de princípios artísticos tradicionais.

Forma-se no estado da Renânia um cenário dinâmico que transcende as fronteiras. Na intensa rede de relações de artistas, que organizam coletivamente exposições históricas, como Azimut (Milão), Nul (Holanda) e ZERO (Düsseldorf), a exposição ZERO enfoca as relações entre artistas alemães e sul-americanos. Artistas sul-americanos de renome internacional, como Lucio Fontana (Argentina/Itália) ou Almir Mavignier (Brasil/Alemanha) incluem-se no círculo restrito de curadores ativos em Milão, Veneza e Zagreb, assim como o venezuelano Jesús Rafael Soto, que vive em Paris.

Numerosos artistas do ZERO e de seu entorno imediato participam da Bienal de São Paulo, entre eles, Lucio Fontana (1951 e 1959, entre outras bienais), Almir Mavignier (1951 e 1957), Jesús Rafael Soto (1959 e 1963), Jan Henderikse e Jean Tinguely (1965), Gianni Colombo e Jan Schoonhoven (1967) e Günther Uecker (1971). O diálogo artístico da exposição ZERO é ampliado ainda com as obras de Hércules Barsotti, Lygia Clark e Abraham Palatnik (todos do Brasil), Gego (da Venezuela), assim como Gyula Kosice (da Argentina).

Sem dúvida, influenciado pelos acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, o ZERO almeja, segundo Otto Piene, “rearmonizar as relações entre ser humano e natureza”. Os artistas experimentam novas técnicas e materiais, deixam-se levar pelo acaso e pelas forças da natureza para dinamizar a superfície da imagem. Dynamo! Dynamo! Dynamo! é a divisa onipresente; vibração torna-se sinônimo do tempo ZERO e de uma linguagem voltada para futuro, que se define a partir da pureza da luz. Um espaço monocromático, frequentemente de cor branca, visualiza as forças energéticas do cósmico e do vazio, que incorporam não apenas para Yves Klein, o desejo do ser humano por uma vivência espiritual.

Com os cortes e rupturas da tela, assim como o uso de pregos, rolhas, algodão, esponjas e outros materiais cotidianos, a imagem se torna não apenas um lugar de ação física e se transforma em um objeto, que põe o espectador em movimento e vice-versa: o próprio espectador pode por em movimento o objeto da imagem ou mudar sua estrutura por meio de contato. Dessa forma, são gerados relevos movimentados manualmente ou de forma eletromecânica, que procuram crescentemente ocupar o espaço. Das estruturas vibrantes desenvolvem-se esculturas de luz cinéticas e ambientes transitáveis, concebidos especialmente para um local e que podem ser vivenciados pelo espectador com todos os seus sentidos.

Na exposição, os modernos modos de pensamento e de trabalho do ZERO, não apenas são apresentados por meio de representativas obras individuais. Históricos espaços centrais de luz estão sendo reinstalados especialmente para a exposição itinerante. Esses ambientes de luz e espelhos formam as linhas mestras da exposição nos quais os espaços temáticos são ligados como capítulos individuais: o branco como cor da luz; a ideia de purificação de Yves Klein, que se manifesta em objetos azuis; os objetos em movimento inseridos sob o conceito Dynamo, que vem acompanhado do fenômeno da vibração e finalmente a inserção de elementos naturais, que funde o espaço da arte com o espaço da natureza. Em relação ao período, a exposição se concentra, com algumas exceções, no início da formação do ZERO, no final da década de 1950 até a sua dissolução em meados da década de 1960.

A curadoria do projeto da exposição é da historiadora de arte de Colônia, Heike van den Valentyn, que também foi responsável pelas exposições ZERO de 2006 e 2008. A coordenação geral do projeto está a cargo da gestora cultural Cristina Sommer e a coordenação do catálogo é de Violeta Quesada.

O projeto da exposição foi organizado em estreita cooperação com artistas e suas fundações, legados ou arquivos, como Heinz Mack, Almir Mavignier, Christian Megert, Otto Piene e Günther Uecker, a Associação Cultural O Mundo de Lygia Clark no Rio de Janeiro, o arquivo de Yves Klein de Paris, o Archivio Gianni Colombo, o Archivio Enrico Castellani, a Fondazione Lucio Fontana e a Fondazione Piero Manzoni em Milão. Acompanha a exposição um catálogo fartamente ilustrado com ensaios de Otto Piene (Düsseldorf/Groton), Heinz-Norbert Jocks (Düsseldorf/Paris), Paulo Venâncio Filho (Rio de Janeiro) e Heike van den Valentyn (Colônia).

·         Armando (Holanda, *1929)
·         Hércules Barsotti (Brasil, 1914–2010)
·         Pol Bury (Bélgica, 1922–2005)
·         Enrico Castellani (Itália, *1930)
·         Lygia Clark (Brasil, 1920–1988)
·         Gianni Colombo (Itália, 1937–1993)
·         Dadamaino (Itália, 1930–2004)
·         Lucio Fontana (Argentina, 1899–1968)
·         Gego (Venezuela, 1912–1994)
·         Hans Haacke (Alemanha, *1936)
·         Jan Henderikse (Holanda, *1937)
·         Yves Klein (França, 1928–1962)
·         Gyula Kosice (Argentina, *1924)
·         Heinz Mack (Alemanha, *1931)
·         Piero Manzoni (Itália, 1933-1963)
·         Almir Mavignier (Brasil, *1925)
·         Christian Megert (Suíça, *1936)
·         Abraham Palatnik (Brasil, *1928)
·         Henk Peeters (Holanda, 1925–2013)
·         Otto Piene (Alemanha, *1928)
·         Jan Schoonhoven (Holanda, 1914–1994)
·         Jesús Rafael Soto (Venezuela, 1923–2005)
·         Jean Tinguely (Suíça, 1925–1991)
·         Günther Uecker (Alemanha, *1930)


Serviço

Exposição ZERO

Pinacoteca do Estado de São Paulo | Praça da Luz, 02 - Luz - Tel. 11 3324-1000
Período: 03 abril a 15 junho de 2014

Terça a domingo das 10h às 17h30 com permanência até as 18h. Às quintas até as 22h.

Ingresso combinado (Pinacoteca e Estação Pinacoteca): R$ 6,00 e R$ 3,00 
Grátis as quintas, após as 17h, e sábados. Estudantes com carteirinha pagam meia entrada. 
Crianças com até 10 anos e idosos maiores de 60 anos não pagam.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Interior mineiro recebe o passeio off-road Suzuki Day

Cidade de Gonçalves será palco do encontro dos Suzukeiros
A cidade turística de Gonçalves, no sul do estado de Minas Gerais, será o próximo destino do passeio off-road Suzuki Day, que levará os participantes por belas trilhas em meio à Serra da Mantiqueira. O passeio não tem restrição de idade e foi criado para que os participantes possam provar e testar seus Suzuki no fora-de-estrada.

“Gonçalves tem ficado cada vez mais conhecida pelas belas paisagens e ótimos serviços de hospedagem e gastronomia. Além disso, as trilhas são bem bacanas para o off-road”, adianta Fernando Julianelli, diretor de marketing da Suzuki Veículos.

Talentos do "School of Rock" participam da São Paulo Oktoberfest 2019

Clássicos do rock agitam agitam a lineup do evento
A terceira edição da São Paulo Oktoberfest anunciou a School of Rock como parceira do evento. Uma parte da música da festa será levada pela escola. O palco Rock será equipado com instrumentos fornecidos pela rede e o lineup contará com nove bandas formadas por alunos School of Rock de 12 a 17 anos e o repertório, é claro, será composto por clássicos do rock nacional e internacional. 

“Esta parceria compartilha um dos conceitos prioritários da São Paulo Oktoberfest, que é o de valorizar o jovem talento por meio de iniciativas que promovam a participação dos estudantes não só como público visitante ou expectador, mas como como verdadeiros atuantes neste evento de grande visibilidade para todo o Brasil”, afirma embaixador da São Paulo Oktoberfest, Walter Cavalheiro Filho. 

Primeira parte da sétima e última aventura da série Harry Potter ganha novos pôrteres

Um dos filmes mais aguardados do ano, Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1, ganha novos pôsteres de divulgação. O clima sombrio da épica batalha final entre as forças do bem e do mal é evidenciado nas duas séries especiais de imagens “caught” e “action”.

As frases “Não confie em ninguém” e “Nenhum lugar é seguro” acompanham Harry, Hermione e Ron nas artes. Na série “action” os heróis aparecem isolados em cada um dos pôsteres, machucados e prontos para a batalha em pontos distintos da cidade. Na arte “caught”, Hermione aparece com Harry na primeira imagem e na outra com Ron e o clima de desconfiança é evidenciado.

Os vilões da saga também aparecem prontos para a batalha nos novos pôsteres. Com varinhas em punho, Voldemort e companhia aparecem em imagens ameaçadoras com a inscrição “A caçada começa”.

A Parte 1, com estreia marcada para 19 de novembro, tem início quando Harry, Ron e Hermione saem em uma perigosa missão para encontrar e destruir o segredo da imortalidade e poder…