Pular para o conteúdo principal

Cinco mitos sobre transformação digital




Marcelo Pires* 

A transformação digital tem sido vista pelas empresas como uma verdadeira tendência. Já virou um dogma no mundo dos negócios a ideia de que é preciso estar presente nos ambientes digitais para ser visto e, consequentemente, sobreviver. Com isso, a demanda por consultorias e profissionais que realizam esse tipo de serviço tem crescido cada dia mais. 

Embora seja um dos termos mais utilizados na TI, as definições para a transformação digital variam. O que se pode afirmar é que se trata da inclusão das tecnologias digitais em todos os setores de um negócio, para torná-los mais eficientes e eficazes, mudando profundamente como a empresa atua e agrega valor aos clientes. A ideia é usar a tecnologia não apenas para replicar um serviço existente em um formato digital, mas também para usá-la para transformar esse serviço em algo significativamente melhor para o usuário final. 

De modo geral, ainda há muita confusão sobre o que é e como é feita uma transformação digital. Esse equívoco acontece porque as expectativas dos clientes e as necessidades das empresas nunca são iguais e estáticas. Para ajudar a desmistificar esse processo tão importante, selecionei cinco mitos sobre transformação digital. 

#1. Transformação digital só tem a ver com tecnologia

Esse processo não envolve apenas tecnologia, mas, essencialmente, a mudança de cultura da empresa e o modelo de negócios. São ações necessárias para atingir o sucesso e que envolvem aspectos tecnológicos, claro, como computação em nuvem, Internet das Coisas, Blockchain, Big Data, Inteligência Artificial, UX, metodologias ágeis, entre outros. Contudo, a tecnologia é um meio, não um fim. 

#2. É um processo pontual

Um dos maiores equívocos de quem quer promover a transformação digital em sua empresa é focar em objetivos de curto prazo. Como ressaltei anteriormente, é preciso trabalhar em todos os processos e áreas, sempre pensando caso a caso com o compromisso de modificar a cultura e estrutura organizacional, o legado dos antigos processos de negócios, além das tecnologias e metodologias de trabalho. 

#3. Fazer mudanças bruscas e muito rapidamente

A transformação digital é uma das principais maneiras de organizações já estabelecidas competirem com empresas mais ágeis e digitais. Esses projetos costumam ser grandes em escopo e ambição, mas não estão isentos de riscos. Por isso, é preciso planejamento e cautela ao executar ações, sempre buscando agir de maneira precisa e com foco no cliente. Nem sempre isso é rápido. 

#4. Consultoria é dispensável

Por ser um processo bastante delicado e que envolve o engajamento de diversas áreas da empresa, para que a maioria das organizações sejam bem-sucedidas, é indispensável a parceria com consultorias externas experientes, que entendam das melhores práticas, bem como das realidades operacionais e preocupações do negócio. Nada como um olhar externo, para que se veja o que quem está envolvido no negócio não consegue ver sozinho. 

#5. Falta de comunicação entre cliente e consultoria

Como qualquer trabalho em parceria, a transformação digital é uma via de mão dupla. Todas as partes envolvidas precisam estar alinhadas quanto a objetivos, expectativas, dificuldades e definições. Antes, durante e depois da consultoria, é preciso manter a comunicação clara e objetiva para que não haja dúvidas quanto aos resultados. 

Tudo que envolve tecnologia geralmente leva a dúvidas, especialmente no público que não trabalha diretamente com essas ferramentas. Isso é natural, uma vez que a própria linguagem tende a ser mais técnica e complexa. O papel das consultorias de transformação digital é, portanto, trazer essas informações à tona de maneira simples, não só para seus clientes, mas para todos. Assim, poderemos dar adeus aos mitos e ficar apenas com a realidade incrível da transformação digital! 


*Marcelo Pires é sócio-diretor da Neotix Transformação Digital. Designer de formação, escultor nas horas vagas, trabalha com design aliado à tecnologia há mais de 20 anos. Especialista em usabilidade, é o responsável pela direção de criação de projetos interativos na Neotix, caminhando pelas áreas de tecnologia, inovação, design, UX e transformação digital.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Interior mineiro recebe o passeio off-road Suzuki Day

Cidade de Gonçalves será palco do encontro dos Suzukeiros
A cidade turística de Gonçalves, no sul do estado de Minas Gerais, será o próximo destino do passeio off-road Suzuki Day, que levará os participantes por belas trilhas em meio à Serra da Mantiqueira. O passeio não tem restrição de idade e foi criado para que os participantes possam provar e testar seus Suzuki no fora-de-estrada.

“Gonçalves tem ficado cada vez mais conhecida pelas belas paisagens e ótimos serviços de hospedagem e gastronomia. Além disso, as trilhas são bem bacanas para o off-road”, adianta Fernando Julianelli, diretor de marketing da Suzuki Veículos.

Projeto Motostory exibe acervo que retrata motociclismo brasileiro

Mostra foi idealizado por Carlãozinho Coachman, um apaixonado por motocicletas
O projeto Motostory ganhou sua primeira mostra aberta ao público como parte do Mobile Photo Festival 2019, que oferece a Exposição São Paulo em Movimento. 

"Quem visitar a exposição poderá conferir o contraste de dois mundos: a fotografia moderna do mobile através do olhar clínico destes grandes fotógrafos, e uma pequena mostra do acervo histórico do Motostory, que retrata quase um século do motociclismo brasileiro", diz Carlãozinho Coachman, seu idealizador.

Mitsubishi Outdoor desbrava as montanhas e cachoeiras de Penedo

Rali de aventura e tarefas irá explorar a Mata Atlântica com diversas atividades culturais e de aventura
Um rali que mistura a experiência off-road com atividades culturais e de aventura. Assim é o Mitsubishi Outdoor, que chega a Penedo, charmosa cidade na divisa dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. A região tem um cardápio repleto de aventuras em meio à paisagens incríveis e o melhor: não há limite de idade, a família toda pode participar e curtir um dia agradável repleto de diversão.

“Estaremos numa das regiões mais belas da Serra da Mantiqueira, próximos à divisa dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. A categoria Fun terá uma prova mais linear e facilitadores de navegação. E o pessoal que for na Extreme poderá esperar atividades mais longas nos PCs de aventura e muito 4x4”, afirma Fernando Gualberto, diretor de prova.